Cérebro


De acordo com um estudo recente, o nosso cérebro não desliga quando dormimos, continua a processar informações que podem ajudar a tomar decisões.


O seu cérebro não desliga quando você vai dormir, de fato, um estudo recente mostrou que ele permaneça em silêncio ativo, e pode processar informações para ajudá-lo a tomar decisões, assim como quando você está acordado.

Um novo estudo conduzido pelos cientistas Sid Kouider e Thomas Andrillon da École Normale Supérieure de Paris, em França, investigou a atividade dos nossos cérebros enquanto estamos dormindo.

Os resultados podem ter implicações para o Santo Graal de busca da humanidade para se tornar cada vez mais inteligente – a aprendizagem enquanto dormirmos.

Estudos anteriores demonstraram que, em vez de desligar do nosso meio ambiente, quando dormimos, os nossos cérebros mantêm-se em funcionamento, para pegar informações importantes e relevantes para nós.

Isto significa que estamos mais propensos a acordar quando ouvimos alguém dizer nossos nomes, ou quando os nossos alarmes tocam de manhã, do que aos sons de um gato, carros a passar, ou o relógio de cuco.

Kouider e Andrillon descobriram que os estímulos complexos do nosso meio ambiente não só podem ser processados pelo cérebro quando dormimos, mas também podem ser usados para tomar decisões.

É como o que acontece no seu cérebro quando você está dirigindo seu carro todos os dias - você tem que processar tanta informação de uma só vez e tão rapidamente, para operar com segurança o seu veículo, mas está tão acostumado com isso, que nem nota isso acontecer.

O mesmo conceito parece aplicar-se aos processos de tomada de decisão quando estamos dormindo. É claro, as peças no nosso cérebro associadas à atenção e ao seguir instruções estão desligadas quando dormimos, por isso não podemos começar a executar uma nova tarefa.

Mas o que Kouider e Andrillon queriam saber é se a tarefa for executada mesmo antes de dormir, o cérebro continuava a trabalhar sobre ela, mesmo depois de o participante adormecer.

Para isso, realizaram experimentos em que os participantes deviam categorizar palavras faladas em duas categorias: palavras que se referiam a animais ou objetos, por exemplo," gato "ou" chapéu" em um primeiro experimento.

Em seguida, palavras reais como "martelo" versus pseudo-palavras (palavras que podem ser pronunciadas, mas não são encontrados em nenhuma parte do dicionário) como "fabu" em um segundo.

Os participantes deveriam indicar a categoria da palavra que ouviram, pressionando um botão para a esquerda ou direita. Assim que a tarefa se tornava mais automática, eles podiam continuar a responder às palavras, mas também foram autorizados a adormecer.

Uma vez que eles estavam deitados em um quarto escuro, a maioria deles caiu no sono enquanto as palavras estavam a ser jogadas. Ao mesmo tempo, os seus cérebros foram investigados usando eletrodos de EEG.

Assim que eles estavam dormindo, e sem perturbar o fluxo de palavras que estavam ouvindo, os pesquisadores deram as participantes novos itens das mesmas categorias.

A ideia era a forçá-los a extrair o significado da palavra (na primeira experiência) ou para verificar se a palavra era parte do léxico (na segunda experiência), a fim de serem capazes de responder.

Enquanto dormiam, os participantes pararam de pressionar os botões. Mas quando os pesquisadores analisaram a atividade cerebral, eles descobriram que os participantes ainda estavam a planear pressionar o botão.

De igual forma mostravam uma preferência para a direita ou esquerda, dependendo das palavras que estavam sendo jogadas para eles. Isso significa que, mesmo quando dormiam, os seus cérebros continuavam a preparar uma resposta para quando retomassem a tarefa no dia seguinte.

Quando os participantes acordaram no dia seguinte, não se lembravam de nada sobre as palavras a que responderam durante o sono, o que significa que todo o processo foi feito de forma inconsciente.

Então, o que isso significa para todos nós que sonhamos em aprender coisas novas, mesmo quando dormimos? É sabido que o sono consolida as informações previamente aprendidas, mas a introdução de novas informações é uma outra história.

E que sacrifícios o cérebro tem que fazer, a fim de conseguir isso? Será que os nossos sonhos começam a interferir com a nossa aprendizagem? Para um fenômeno que é fundamental para a existência de todos os animais do planeta, ainda temos muito a aprender sobre a ciência do sono.


#CMisteriosBlog » Semana 15»»»Mistérios do Mundo
English »Article Our brains can make decisions while we're sleeping»[Livescience]
CMistériosBlog » Cérebro