Estranhos vícios


Os vícios em tabaco ou álcool são comuns, mas sabia que há pessoas viciadas em comer cinzas humanas?


Vício pode ser definido como uma necessidade forte, regular e prejudicial a algo (como uma droga) ou a fazer alguma coisa (como jogar), ou um interesse invulgarmente grande em algo.

Mas há coisas pelas quais as pessoas desenvolvem ânsias que os psicólogos podem não reconhecer como verdadeiros vícios.

Embora essas fixações não estejam no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), algumas são incrivelmente estranhas. Conheça em seguida algumas desses vícios estranhos.

Mastigar gelo

Tem algum amigo que gosta de mastigar gelo? Bem, a tendência para mastigar compulsivamente e consumir quantidades excessivas de gelo na verdade tem um nome: Pagofagia. O hábito é uma forma de pica, uma condição em que as pessoas têm tendência a comer produtos não alimentares, sem valor nutricional, como argila, terra ou papel.

 De igual forma, mastigar gelo pode também ser um sinal de anemia por deficiência de ferro, de acordo com a Clínica Mayo. Por outro lado, o síndrome de pica pode, menos frequentemente, ser um sinal de problemas emocionais, como stress ou transtorno obsessivo-compulsivo.

Comer cinzas humanas

Uma mulher que come as cinzas do seu marido cremado é apenas uma das pessoas com uma obsessão incomum que apareceu na série de TV "My Stange Addiction", que passa no TLC. A mulher no episódio, chamado Casie, ficou aparentemente tão triste com a morte do marido que carregava uma urna com as suas cinzas para todos os lugares que fosse.

 Um dia, algumas das cinzas caíram na sua mão e, ao invés de as jogar fora, ela decidiu lambê-las. Desde então, ela consumido cerca de um quilo dos restos mortais do seu marido, de acordo com o canal de televisão TLC.

Bronzear-se

Todo a gente gosta de um dia ensolarado na praia, mas a razão porque algumas pessoas gostam de dias ensolarados pode ter um lado mais sombrio. Bronzear-se - seja no exterior ou em cabines de bronzeamento - pode realmente ser viciante, de acordo com pesquisadores da Universidade do Texas.

 Os cientistas publicaram um estudo em 2005 na revista Archives of Dermatology onde descobriram que até 53 por cento dos banhistas preenchem critérios de diagnósticos para serem classificado como dependentes de bronzeamento por luz ultravioleta.

O vício pode ser baseado no fato de que, quando o corpo é exposto à radiação ultravioleta (UV), produzir, ou impulsionar, substâncias químicas chamadas endorfinas, que afetam o humor, disseram os pesquisadores.

 Outro estudo realizado por pesquisadores da Wake Forest University descobriram que pessoas que se bronzeiam 8 a 15 vezes por mês experirnciam sintomas de abstinência quando são privados de luz-UV. O bronzeamento representa um risco para a saúde, porque a exposição à luz UV está ligada ao desenvolvimento cancro da pele, mostram estudos.

Fazer tatuagens

Um em cada cinco adultos norte-americanos tem pelo menos uma tatuagem, de acordo com uma pesquisa de 2012. Apesar desse comportamento raramente aparentar um verdadeiro vício, muitas pessoas dizem que não há tal coisa como ter apenas uma tatuagem. Algumas pessoas podem desejar as endorfinas que o corpo liberta em resposta à dor da agulha; outros podem usar a dor física como uma distração psicológica da sua dor emocional.

Seja qual for o real motivo, as pessoas que se envolvem em cortes e noutras formas de auto-lesão também podem apresentar sintomas de uma doença mental, tais como transtorno de personalidade borderline ou depressão, afirma a Clínica Mayo.

Vício em internet

A perturbação de adição em internet, também conhecido como o uso compulsivo ou problemático da Internet, refere-se a pessoas que usam excessivamente um computador - seja para jogos, mídias sociais ou outras coisas - interferindo com a vida diária.

Estudos estimam que cerca de 9 milhões de americanos podem ser rotulados como "usuários patológicos de computador e internet em detrimento do trabalho, estudo e vida social", de acordo com um relatório de 2009, publicado na revista CyberPsychology & Behavior.

A quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) identificou o transtorno de jogos na Internet como "uma condição que justifique mais investigação clínica". Isso significa que os profissionais de saúde mental estão a estudar este problema, e poderão considerá-lo para inclusão no principal livro como um distúrbio formal.

Beber ambientador

Noutro episódio de "My Strange Addiction", é-nos apresentado o caso de uma mulher chamada Evelyn, que é viciada em beber ambientador. A mulher de 20 e poucos anos esguicha uma névoa de limpeza para a sua boca até 50 vezes por dia, e consome 20 latas de purificadores de ar por semana, afirma o Washington Post.

 O hábito começou quando um ambientador automático na sua casa acidentalmente pulverizado o corpo de Evelyn enquanto ela estava a passar. Nesse momento, ela descobriu que gostava do sabor. O seu sabor favorito é "roupa fresca", afirma Evelyn. 


#CMisteriosBlog » Semana 14»»»Mistérios do Mundo
English »Article Getting Tattooed & Eating Human Ashes: 6 Strange 'Addictions'»[LiveScience]
CMistériosBlog » Estranhos vícios