Javalis radioativos em Fukushima


javali

Notícias Estranhas e Fatos Curiosos

Javalis radioativos em Fukushima

Os caçadores que perseguem javalis radioativos vagando pelas terras desertas de Fukushima após um desastre nuclear

Funcionários estão se preparando para repovoar a área após a crise nuclear de 2011

Os javalis selvagens vagueiam vagas cidades de Fukushima como residentes
Esta extraordinária filmagem revela os caçadores que estão perseguindo javalis radioativos entre as terras nucleares de Fukushima.

As criaturas são um infeliz subproduto da fusão que paralisou a usina de Daiichi depois que foi atingida por um terremoto e tsunami em 11 de março de 2011.

Houve muitos perigos óbvios enfrentados pelo Japão na esteira do desastre, mas um dos mais inesperados também provou ser um dos mais fascinantes.

Quando a zona de exclusão foi estabelecida com a população das cidades circunvizinhas a evacuada para uma distância segura, centenas de javalis que tem um ataque como as pessoas quando estçao enfurecido, descem das colinas circundantes e florestas para as ruas desertas a cidade.

Agora eles vagueiam pelas ruas vazias e jardim coberto de vegetação da cidade à beira-mar deserta do Japão de Namie, forrageando em busca de alimento.




No entanto, o povo de Namie está programado para retornar à cidade no final do mês, o que significa que os intrusos com dentes de sangue têm de ser retirados do local.

"Não é realmente claro agora qual é o mestre da cidade, pessoas ou javalis", disse Tamotsu Baba, prefeito da cidade.

"Se não nos livrarmos deles e transformarmos isso em uma cidade liderada pelos humanos, a situação ficará ainda mais selvagem e inabitável".

No final de março, o Japão está preparado para levantar as ordens de evacuação para partes da Namie, localizadas a apenas 2,5 quilômetros da usina nuclear destruída, bem como outras três cidades.

Na cidade vizinha de Tomioka, o caçador Shoichiro Sakamoto lidera uma equipe de 13 pessoas para capturar e matar os javalis com rifles de ar. Duas vezes por semana, eles colocam cerca de 30 armadilhas de gaiola, usando farinha de arroz como isca.

"Depois que as pessoas saíram, começaram a descer das montanhas e agora não vão voltar", dis.

"Eles encontraram um lugar que era confortável, havia muita comida e ninguém para vir atrás deles."

Desde abril do ano passado, o esquadrão capturou cerca de 300 animais e pretende continuar o seu trabalho mesmo depois que as ordens de evacuação são desmanteladas.

Mais de metade dos 21.500 moradores da Namie decidiram não retornar, no entanto, uma pesquisa do governo mostrou no ano passado, citando preocupações sobre a radiação e a segurança da usina nuclear, que está sendo desativada.

Mas em reuniões da cidade no início deste ano para se preparar para o regresso a casa, os moradores manifestaram preocupações com os javalis.

"Tenho certeza de que funcionários de todos os níveis estão pensando nisso", disse Hidezo Sato, um antigo comerciante de sementes da Namie.

"Algo deve ser feito."


Página no G+:
Comunidade no G+: