Os gêmeos CRISPR da China podem ter seus cérebros inadvertidamente aprimorados



Os gêmeos CRISPR da China podem ter seus cérebros inadvertidamente aprimorados

Novas pesquisas sugerem que um controverso experimento de edição de genes para tornar as crianças resistentes ao HIV também pode ter aumentado sua capacidade de aprender e formar memórias.
Publicada em
Modificada em

História de Ciência

Os cérebros de duas meninas geneticamente editadas nascidas na China no ano passado podem ter sido modificadas de maneiras que melhoram a cognição e a memória, dizem os cientistas.

Os gêmeos, supostamente tiveram seus genes modificados antes do nascimento por uma equipe científica chinesa usando a nova ferramenta de edição CRISPR. O objetivo era tornar as meninas imunes à infecção pelo HIV, o vírus que causa a AIDS.

Agora, uma nova pesquisa mostra que a mesma alteração introduzida no DNA das meninas, a exclusão de um gene chamado CCR5, não apenas torna os ratos mais inteligentes, mas também melhora a recuperação do cérebro humano após o AVC e pode estar ligada a um maior sucesso escolar.

"A resposta provavelmente é sim, afetou seus cérebros", diz Alcino J. Silva, neurobiólogo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, cujo laboratório descobriu um novo papel importante para o gene CCR5 na memória e a capacidade do cérebro de formar novas conexões.

"A interpretação mais simples é que essas mutações provavelmente terão um impacto na função cognitiva dos gêmeos", diz Silva. Ele diz que o efeito exato sobre a cognição das meninas é impossível de prever, e "é por isso que não deve ser feito".

A equipe chinesa, liderada por He Jiankui, da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul, em Shenzhen, afirmou que usou CRISPR para excluir o CCR5 de embriões humanos, alguns dos quais foram usados ​​mais tarde para criar gravidezes. O HIV exige que o gene CCR5 entre nas células sanguíneas humanas.

O experimento foi amplamente condenado como irresponsável e está sob investigação na China. As notícias sobre os primeiros bebês editados por genes também inflamaram as especulações sobre se a tecnologia CRISPR poderia algum dia ser usada para criar humanos superinteligentes, talvez como parte de uma corrida de biotecnologia entre os EUA e a China.

Não há evidências de que Ele realmente tenha decidido modificar a inteligência dos gêmeos. A MIT Technology Review contatou cientistas que estudam os efeitos do CCR5 na cognição, e eles dizem que o cientista chinês nunca chegou até eles, como fez com outros de quem ele esperava obter aconselhamento científico ou apoio.

"Até onde sei, nunca ouvimos falar dele", diz Miou Zhou, professor da Universidade de Ciências da Saúde do Oeste da Califórnia.

Embora nunca tenha consultado os pesquisadores do cérebro, o cientista chinês certamente estava ciente da ligação entre o CCR5 e a cognição. Foi mostrado pela primeira vez em 2016 por Zhou e Silva, que descobriram que a remoção do gene dos camundongos melhorou significativamente sua memória. A equipe analisou mais de 140 diferentes alterações genéticas para descobrir quais ratos eram mais inteligentes.

Silva diz que por causa de sua pesquisa, ele às vezes interage com figuras no Vale do Silício e em outros lugares que, em sua opinião, tem um interesse doentio em bebês com cérebros melhores. É por isso que, quando o nascimento dos gêmeos se tornou público em 25 de novembro, Silva diz que ele imediatamente se perguntou se havia sido uma tentativa desse tipo de alteração. "De repente, percebi ... Ah, merda, eles estão realmente falando sério sobre essa besteira", diz Silva. "Minha reação foi repulsa e tristeza visceral."

Durante uma cúpula de cientistas de edição de genes que ocorreu dois dias depois em Hong Kong, ele reconheceu que sabia o tempo todo sobre os potenciais efeitos cerebrais da pesquisa da UCLA. “Eu vi esse papel, ele precisa de mais verificação independente”, ele respondeu quando perguntado sobre isso durante uma sessão de perguntas e respostas (veja o vídeo aqui ). Ele acrescentou: "Eu sou contra o uso de edição do genoma para aprimoramento".

Seja qual for o Seu objetivo, a evidência continua a construir que o CCR5 desempenha um papel importante no cérebro. Hoje, por exemplo, Silva e uma grande equipe dos EUA e Israel dizem ter uma nova prova de que o CCR5 age como um supressor de memórias e conexões sinápticas.

De acordo com o novo relatório , publicado na revista Cell, as pessoas que naturalmente não têm o CCR5 recuperam-se mais rapidamente dos derrames. Além do mais, as pessoas que faltam pelo menos uma cópia do gene parecem ir mais longe na escola, sugerindo um possível papel na inteligência cotidiana.

“Somos os primeiros a relatar uma função do CCR5 no cérebro humano, e o primeiro a relatar um nível mais alto de educação”, diz o biólogo S. Thomas Carmichael, da UCLA, que liderou o novo estudo. Ele chama a ligação para o sucesso educacional "tentadora", mas diz que precisa de mais estudos.

As descobertas sobre o CCR5 já estão sendo seguidas em testes de drogas em pacientes com AVC e pessoas com HIV, que às vezes sofrem problemas de memória. Nesses estudos, um dos quais está em andamento na UCLA, as pessoas estão recebendo uma droga anti-HIV, Maraviroc, que bloqueia quimicamente o CCR5, para ver se melhora sua cognição.

Silva diz que há uma grande diferença entre tentar corrigir os déficits nesses pacientes e tentar criar melhorias. “Problemas cognitivos são uma das maiores necessidades não atendidas da medicina. Precisamos de drogas, mas outra coisa é pegar pessoas normais e procurar o DNA ou química para melhorá-las ”, diz ele. “Simplesmente não sabemos o suficiente para fazer isso. A natureza atingiu um equilíbrio muito bom ”.

Só porque não devemos alterar a inteligência normal, não significa que não possamos. Silva diz que as manipulações genéticas usadas para fazer "ratos inteligentes" mostram não só que é possível, mas que a alteração do CCR5 tem efeitos particularmente grandes.

“Poderia ser concebível que em um ponto no futuro poderíamos aumentar o QI médio da população? Eu não seria um cientista se dissesse não. O trabalho em ratos demonstra que a resposta pode ser sim ”, diz ele. “Mas os ratos não são pessoas. Nós simplesmente não sabemos quais serão as conseqüências. Ainda não estamos prontos para isso.

FONTE: China’s CRISPR twins might have had their brains inadvertently enhanced